Tropa do Cheque

Dois dos integrantes da CPI do Cachoeira estiveram em um restaurante em Paris, na Semana Santa, com Fernando Cavendish, então presidente da Delta. O encontro reuniu o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e o deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL). Estava com os dois o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), que não faz parte da comissão de inquérito. 


À época, a CPI não havia sido criada, mas o escândalo envolvendo o bicheiro Carlinhos Cachoeira e a Delta já tinha vindo à tona. Ciro Nogueira confirmou a amizade com o ex-presidente da Delta. Em 12 de dezembro de 2009, ele postou no Twitter: “hoje vou ao casamento do meu amigo Fernando Cavendish”.


Nesta quinta-feira, por 16 votos a 13, a CPI barrou a convocação de Cavendish numa sessão tumultuada. Ciro Nogueira fez discurso e votou contra a convocação. Maurício Quintella Lessa não estava presente. A Delta Construções negou qualquer pagamento a parlamentares no Congresso, bem como eventual encontro de parlamentares com Cavendish “em qualquer lugar que seja”. Outra viagem de Cavendish a Paris já causou polêmica: a que ele apareceu em fotos num jantar ao lado do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), e secretários do governo do estado.

Cavendish não foi convocado para prestar depoimento, Cabral não foi convocado a prestar depoimento, os depoentes que foram não disseram mais do que como "fizeram bem" aos seus respectivos estados ou simplesmente não falaram nada aos "representantes do povo". PT e PSDB fecharam um acordo na surdina e nenhum deles acusa ninguém diretamente para não respingar em si. PMDB idem. Só por ter estes, que são os maiores partidos no Congresso, unidos nada iria pra frente. Soma-se a estes os aliados dos envolvidos e está armado o circo. 

Outras CPIs me deram a esperança de desbaratinar esquemas muito complexos e não o fizeram. Sempre acabam presos 2 ou 3 bodes espiatórios até a poeira baixar e a coisa morre aí. Essa CPI, a do Cachoeira, já nasceu morta.