Os inocentes do Leblon

Desta vez vou ceder meu espaço a Hildegard Angel, Drummond e Chico. Em coluna muito coerente prévia à noite em que o Leblon foi temporariamente incorporado à cidade do Rio de Janeiro, "Hildezinha" cita causas da violência com que os manifestantes tem se portado. O que ela não diz é que a possível iminente guerra civil, surge de banalidades como guardanapos na cabeça e Louboutin nos pés durante orgias gastronômicas em Paris. Surge de meros passeios rápidos de helicópteros. Surge de um dinheirinho a mais pra gasolina ou um auxílio-paletó. E também de tirar umas famílias de pobres e de índios do caminho da civilização padrão Fifa.

"Que culpa eu tenho de o governador morar perto de mim?", diria um aristocrata morador do bairro de Manoel Carlos. Deixo que Drummond - de Copacabana - o responda na voz de Chico - do Leblon.


1 século atrás Bertold Brecht disse "O que é roubar um banco perto de fundar um banco?". Na noite de 17 de julho patrimônios privados foram depedrados e uma loja da Toulon foi invadida. As roupas foram distribuídas para os moradores de rua. Os prejuízos ficam para as seguradoras.

Estranhamente quando a manifestação está pacífica a PM entra "sentando a mão". Quando os "baderneiros" - adoro a história de Marietta Baderna, que deu origem à expressão. Pelo visto a Globo também. - começam o quebra-quebra a PM, que já estimulou o começo da confusão, simplesmente some.

Mas não some por completo. É claro que fica em pontos estratégicos para proteger a integridade do sr. governador. E assim foi feito mais uma vez na noite de 17 de julho. Os PMs protegeram a propriedade do governador e "desceram a lenha" em quem chegou perto da casa do secretário de segurança. O resto da população que fique com o terror. O editorial do JB de hoje abordou o perigo desta ação:

"Permitir que haja um confronto entre os manifestantes e o segmento mais pacífico dos cidadãos é uma estratégia perigosa. Ao invés de se erguer contra os que protestam, esta parte da população, abandonada pela segurança pública, pode acabar aderindo ao movimento, aumentando ainda mais a indignação contra os rumos do governo."

Mais do que ignorar as manifestações violentas as denominadas forças de segurança estimulam ainda mais com policiais infiltrados, os chamados P2. Termo estranho que se tornou extremamente popular de 1 mês pra cá. Eu poderia estar me referindo ao filme Z, do cineasta Costa Gavras. Mas infelizmente a realidade está em nossas portas, como é possível ver no vídeo abaixo. Policiais são mostrados perseguindo quem está com câmeras e tirando os registros do que está fazendo. Em 1 minuto e 10 segundos há um P2 prendendo um manifestante. Ao se ver filmado ele tenta disfarçar.


Isso não é na Grécia em 1969. Isso é no Leblon ontem à noite.


Fiquem com a coluna de Hildegard Angel, onde ela analisa os motivos dos ataques raivosos de parte da população. A coluna completa está em HildegardAngel.com.br


"Fomentado pela grande mídia, o ódio da classe média manifesta-se nas mídias sociais, nas ruas, nas cartas aos jornais, nos bares, nas conversas. Num projeto golpista, temendo a continuidade do governo PT, uma mídia irresponsável, inconsequente, com sua curta visão, fez sua audiência acreditar que todos os males crônicos do Brasil advêm da era Lula.
Corrupção, crise hospitalar, deficiência do ensino, do saneamento, mazelas que somam pelo menos cinco décadas de omissões em gestões sucessivas, se é que podemos chamá-las de “gestões”, são debitadas aos governos petistas, justamente aqueles que apresentaram e apresentam os melhores resultados no desenvolvimento econômico, na política externa, na qualidade de vida, na justiça social, no reconhecimento internacional, na distribuição de renda e em inúmeros outros méritos.
Tanto fizeram, tanto insistiram, numa campanha de tal forma poderosa, insidiosa, obsessiva, continuada, que conseguiram chegar ao cenário que pretendiam: o país desmoralizado internacionalmente, a presidenta impopular, a economia em queda, manifestações nas ruas.
Cegos, imprevidentes, imprudentes, os donos desta mídia, os membros desta sigla, PIG – de Partido da Imprensa Golpista – acabam por dar o Golpe neles próprios, pois a primeira vítima é ela mesma, a mídia, que acendeu o fósforo, mas quem jogou a gasolina foi o Facebook, foi o Google. Só então a grande e forte mídia brasileira percebeu o quão é pequena e frágil, uma formiguinha, perto das redes sociais.
E deu no que deu: para cobrir as manifestações, só com os repórteres no alto dos prédios, dialogando com os cinegrafistas no alto dos helicópteros. Se chegassem às ruas, eram escorraçados, enxovalhados, linchados. Os microfones, pelados: não podiam exibir logomarca de emissora.
(...)
E quando essa ira da classe média se alastrar até os pobres, os muito pobres, os miseráveis, os iletrados, quem vai conduzi-los? Quem tem liderança, neste momento, em nosso país? Quem são nossas lideranças?
Os movimentos nas ruas já mostraram que não há quem os guie. As centrais sindicais convocaram greve geral e foi um fiasco. Não lideram mais. Os movimentos estudantis, igual. Acomodaram-se nestes 10 anos de ante sala do poder. O PT, nem se fala, bem como os partidos aliados do governo. Acostumados a ser oposição desde sua origem, desmobilizaram suas “massas” e não as entusiasmam mais com a mesma intensidade e velocidade de antes.
Os partidos de oposição, DEM, tucanos e correlatos, de elite, não têm liderança popular, nem sabem ter. Botam na rua, se muito, alguns gatos pingados. Agem na base da intriga dos punhos de renda, dos corredores, cochichando coisas nos ouvidos e nos IPhones dos editores de revistas e colunistas de jornais. Não são povo.
As únicas lideranças com poder de mobilização no país na atualidade são: 1) O Crime Organizado.; 2) As Seitas Pentecostais (Igrejas Evangélicas). Escolha seu líder…"

Rio perdeu o pudor de adotar o terrorismo de Estado como política pública


Mais um texto retirado do excelente Blog do Sakamoto

O governo do Estado do Rio de Janeiro enlouqueceu. Não há outra forma de descrever o comportamento de suas forças de segurança nas últimas semanas. E olha que quem escreve é um morador de São Paulo, que possui uma das polícias mais meigas do país. Não estou surpreso com a violência desmesurada ou com o pouco respeito à vida e à dignidade, mas pelo fato do governo ter perdido o pudor e não se preocupar mais em esconder as besteiras que faz.
Primeiro, a selvageria contra manifestantes que marchavam em paz no Centro da capital carioca sem nenhum constrangimento, ignorando que o comportamento de um grupo de idiotas não pode justificar o tratamento ignóbil dispensado à imensa maioria pacífica. Os policiais não atuavam entre os que causavam danos ao patrimônio público, mas intimidavam ostensivamente qualquer um que não estivesse em casa vendo a novela. Isso sem contar as bombas de gás, balas de borracha e spray de pimenta lançados contra quem protestava pacificamente próximo ao estádio do Maracanã.
Somado a isso, o pânico provocado no Complexo da Maré com a operação que deixou, pelo menos, dez mortos – inclusive um policial. Supostamente, em busca de supostos responsáveis por um arrastão e, depois em clara vingança pela morte de um sargento, a força pública esculachou moradores, invadiu casas, abusou da autoridade, enfim. Centenas se reuniram para protestar contra a presença do Bope na favela e a própria polícia – pasmem – reconheceu que inocentes foram mortos.
Boa parte dos policiais que morrem nesses momentos são da mesma classe social dos moradores e traficantes que também tombam. Ou seja, é pobre matando pobre enquanto quem manda ou lucra de verdade com todo o circo está arrotando comida chique em outro lugar. Ninguém entra atirando a esmo no Leblon ou em Moema, por que isso ocorre na Maré? Porque lá a vida vale menos, ué.
A verdade é que o Rio está se especializando no caminho do terrorismo de Estado, tanto ao criar entraves à liberdade de expressão quanto ao reprimir ainda mais o punhado de direitos das comunidades pobres que ainda não foram defenestrados. A população cada vez mais teme seu governo ao invés de respeitá-lo. Dessa forma, vai se afastando das mudanças estruturais para garantir paz – que incluem um Estado que pense em qualidade de vida para todos e, ao mesmo tempo, em um horizonte de opções para os mais jovens que saem em busca de um lugar no mundo e caem no colo do tráfico. Ações que devem ser discutidas e construídas com a participação popular e não de cima para baixo, como se soubéssemos o que é melhor para os outros. Em vez disso, o Rio renova seu estoque de gás lacrimogênio, lançando mão de caveirões e bombas. Que limpam a cidade para os “homens de bem”. A dignidade não é uma grande UPP.
Enquanto o povo protestava contra a divisão dos royalties do petróleo, Sérgio Cabral achava tudo bonito. Quando as pautas são outras, pau neles. E quando é com pobre, aí é bala mesmo. Lembra os verde-olivas que adoravam uma marcha cívica, mas desciam o cacete nos estudantes que protestavam e nas “hordas de bárbaros” quando elas saíam da casinha. Ele lembra a todos que a cidade é para alguns apenas, que têm um tanto na conta bancária e pensam de uma determinada forma. Estes podem participar dos destinos de sua pólis e ser tratados com dignidade. Para os outros, resta um “Rio: ame-o ou deixe-o”.
Se o poder público se comporta assim em um momento de teste de sua sanidade mental, imagina na Copa?
Em tempo: É necessário uma cobertura mais crítica e contundente do poder público em suas ações de segurança pública por parte da mídia. Por vezes, banalizamos aberrações a ponto de internalizá-las como parte do cotidiano. Nesta reportagem, ao tratar da repressão a uma das manifestações no Centro do Rio de Janeiro, o especialista em segurança pública da TV Globo proferiu uma perigosa diferenciação (aos 1’4”): “É uma arma de guerra, uma arma de operação policial em comunidades, em favelas. Não é uma arma para ser usada em ambiente urbano…”

O preço da passagem será o menor dos problemas do poder público


Ótimo texto retirado do Blog do Sakamoto
“Sakamoto, seu comunista filho da puta! Eu vou te matar!”
Ouvi isso de dois rapazes fortes e mascarados que estavam entre os que depredaram a entrada da Prefeitura de São Paulo, na noite desta terça (19), durante o ato contra o aumento nas passagens do transporte público em São Paulo. Comunista? – hihi. Por sorte – ou azar, dependendo do ponto de vista – eles voltaram a se entreter com uma grade de segurança, feito gato com novelo de lã, junto com outros da sua espécie. O que foi bom porque não pareciam do tipo que brincam em serviço.
Logo antes, eles haviam entrado em confronto com um grupo de manifestantes que usou os próprios corpos em um cordão humano de isolamento, dando os braços, para proteger o prédio. Gritando “sem violência!”, permaneceram lá enquanto enquanto viam pedras serem arremessadas sobre suas cabeças contra as vidraças. Ouviam do grupo agressor – uma mistura de boladões bem-vestidos e uma molecada franzina, claramente de origem mais humilde – que estes eram “moralistas” e “coxinhas”.

Manifestantes fazem cordão de isolamento e tentam proteger Prefeitura
Quando alguém me reconhece na rua (provavelmente pela cabeça inconfundivelmente grande) e vem conversar, normalmente discute algum texto ou ideia, concordando ou discordando em paz. Mas, nesta noite, fui surpreendido algumas vezes por um pessoal que – não duvido – grita “anauê!” enquanto toma banho. São diferentes do pessoal extremamente politizado e consciente que vê a depredação de patrimônio como ação política, mas que não usam violência contra pessoas (só para deixar claro que não concordo com esses métodos, antes que alguém me xingue).
Após a pancadaria por parte da Polícia Militar, na última quinta (13), ter pegado mal para o poder público e as pesquisas de opinião (inclusive o hilário DataDatena) mostrarem que a maior parte dos paulistanos era favorável aos protestos, muita gente mudou o discurso com relação ao movimento pela redução do preço das passagens do transporte público em São Paulo. Vendo que ele ganhava força nas redes sociais, também por conta da violência que manifestantes e jornalistas sofreram, trocaram o que – até então – era “vândalo” por “ativista”. Setores da mídia e da sociedade civil que não necessariamente concordam com a demanda original dos atos ajudaram a incluir mais pautas às reivindicações, o que aglutinou outros grupos de descontentes.
Para falar a verdade, quando vi algumas instituições conservadoras e reacionárias apoiando os protestos, fiquei com um arrepio na coluna. Isso não tira um milímetro de legitimidade das manifestações, mas preocupa a carona que alguns querem pegar. Páginas de extrema direita na internet, contrárias à pauta da manifestação, conclamando o povo para o ato são de doer. Seria apenas cômico se a coisa não fosse séria.
O Movimento Passe Livre reforçou: este é um ato contra o aumento das passagens. O que, em qualquer sociedade minimamente decente, significa um transporte público com mais qualidade, ou seja, o respeito ao direto de ir e vir e à dignidade humana. “Ah, mas o movimento não consegue controlar a massa para garantir isso.” E nem é esse o trabalho deles. São as dores e delícias de uma ação horizontalizada. É claro que as manifestações chegaram a esse porte por reunir um leque muito amplo de pessoas. Inclusive gente que não concorda com o objetivo da manifestação e está lá com sua pauta própria. O direito à livre expressão faz parte da democracia.
O objetivo principal dos atos não é para pedir o impeachment de Haddad, Alckmin ou Dilma; não é pedir recursos para educação, saúde e cultura – por mais que sejam pautas relacionadas ao direito à mobilidade urbana e importantíssimas; não é a favor ou contra o ovolacteovegetarianismo; não é pela volta da ditadura (sim, tem gente dodói da cabeça defendendo isso) ou a favor da redução de impostos; não é uma marcha contra a corrupção, a favor da contratação de reforços para o Palmeiras ou pela volta dos Teletubbies (adoro). Enfim, por mais que ela envolva descontentes de todos os cantos e com muitas reclamações, não é um grande “Cansei” contra o estado das coisas. Ela possui um guarda-chuva central, que mobiliza a maior parte das pessoas. Basta estar presente em um ato do começo ao fim para constatar isso. A maioria dos que gritam contra corrupção, pela saúde, pela educação, contra o pastor Feliciano, por mais teletubbies também entoam contra os 20 centavos.
Há uma pauta principal, objetiva e clara, sem margem para grandes viagens filosóficas: a revogação do aumento da tarifa. É ela que reúne, é ela que justifica, é ela que conclama. Alguns políticos e outros setores econômicos e sociais podem até tergiversar, mas o povo sabe disso. O Datafolha indica, aliás, que 67% da população sabe que o motivo dos protestos é o aumento no preço da tarifa. E 77% apoia as manifestações.
Ao se articular pelas redes sociais após as manifestações dos dias 11 e 13, exigindo o direito de protestar, em muito por conta da violência da Polícia Militar, os jovens abriram uma avenida. E muita gente que defende a liberdade de expressão trouxe seu carro para rodar nela ao lado da pauta do movimento. Estranho seria se não fizessem isso, dada a pluralidade da sociedade e a magnitude do evento.
O Movimento Passe Livre e colegas jornalistas que têm coberto as manifestações já identificaram a ação de agitadores infiltrados que têm o objetivo de tocar o terror na manifestação. Para deslegitimá-la, para assustar participantes, para justificar ações da polícia, por um rosário de razões. É possível que o ataque à entrada da Prefeitura não tenha começado com os manifestantes que pediam a redução no preço da tarifa. O mesmo se aplica ao fogo que consumiu um carro de reportagem de TV. Da mesma forma, é difícil de acreditar que foram manifestantes que começaram os saques nas lojas do Centro (que, como já ficou comprovado, teve a participação de pessoas que não participavam dos atos) ou atingiram o Teatro Municipal. O saque e  caos também têm um significa político forte e claro, mas não creio que este era o caso. Essa minoria queria outra coisa.
Há, é claro, manifestantes que descarregam sua frustração e indignação na forma de ataques a equipamentos públicos e patrimônio privado. Muita gente vinda da periferia que foi sistematicamente excluída da categoria de cidadã irrompe em fúria, bastando apenas uma faísca. Mais uma vez, não estou defendendo esses métodos, apenas explicando que entendo o que se passa na cabeça de alguém que não sente a cidade como sua e, portanto, a protege, porque a cidade nunca o tratou como um dos seus. Tem gente que sabe muito bem disso e, em algumas ocasiões, cria as condições dessa faísca.
A força policial tem sido célere em agir contra manifestantes que caminham de forma pacífica. Contudo, demora para evitar saques ou destruição gratuita realizada por quem não está lá para reivindicar, mas sim promover o caos atendendo à sua pauta própria. Paga ou não. Por que? É uma boa pergunta a fazer aos comandantes das operações.
Há uma grande quantidade de pessoas que nunca tiveram contato com discussões sobre a sua cidade, muitos menos sobre direitos fundamentais, que está caindo de paraquedas nos atos. Quem sejam cada vez mais bem-vindos. Concordo com quem diz que este é um excelente momento para formação política desse pessoal, a fim de que entendam o que está em jogo e transformem insatisfação, descontentamento e incômodo em ação com reflexão, espírito crítico e participação ativa e duradoura nos desígnios da pólis e do país.
E também para evitar outros tipos de violências. Como as de gênero ou de orientação sexual, que podem parecer coisa pequena em meio à multidão, mas que são simbólicas e, portanto, fundamentais.
Na manifestação desta terça, abordei educadamente um rapaz, próximo ao Parque Dom Pedro, que carregava um cartaz chamando Dilma de “vaca”. Pedi desculpas pela intromissão, mas expliquei que o protesto dele seria muito mais legítimo se ele usasse um termo para criticá-la que não fosse tão machista. Ele entendeu, ficou sem graça e disse que tinha escolhido só porque rimava com o restante da ideia. Contudo, um senhor mais velho que o acompanhava afirmou que ela é mesmo uma “vaca”. Perguntei a ele se gostaria que sua mãe fosse chamada de “vaca”, no que ele estranhamente respondeu que sabia que era professor de história e havia estudado a vida de Dilma e podia atestar que ela é uma “vaca” (?…!) Torci para uma das organizadoras da Marcha das Vadias passar naquele momento por ali para um processo rápido de desintoxicação do senhor em questão, mas como não tive o desejo atendido, tentei convencê-lo, em vão.
Pouco depois, um rapaz gritava a plenos pulmões, com o apoio de um coro de moças, “Alckmin é gay!” Também fui conversar com eles (#sakamala). Perguntei por que não usavam outro termo para expressar o descontentamento contra o governador. Pois homossexualidade não deveria ser considerado xingamento. Apesar de uma resistência inicial, ao menos, parte do grupo, entendeu a mensagem.
Ok, gente, não estou querendo provar que sou uma variação do “chato de palestra”, nesse caso o “chato de passeata”. Mas apenas reforçar algo que todos já perceberam: boa parte desse pessoal está saindo para a vida pública agora e seria importante enfatizar alguns pontos. Outra coisa, por exemplo: atos como esse podem suprapartidários e nunca apolíticos.
Vi muitas cenas de jovens com caras-pintadas exigindo que bandeiras de partidos fossem abaixadas, o que é uma besteira sem tamanho. Há espaço para todas as denominações partidárias, religiosas, futebolísticas, desde que elas saibam que a manifestação não pertence a elas e não tente cooptá-la. Mas elas – como em qualquer outro momento na sociedade – têm o direito de participar do debate público, porque reúnem pessoas que pensam de uma mesma forma. A livre associação é um direito humano.
Para exigir algo novo, não significa que é preciso considerar que tudo o que já existe é ruim (não acredito que estou escrevendo esse beabá, mas vá lá). Isso é muita arrogância e descolamento com a realidade. Muitos menos que todos os políticos são iguais – não, não são.
Como já escrevi, o paradigma do sistema político representativo está em grave crise por não ter conseguido dar respostas satisfatórias à sociedade. Aos mais jovens, sobretudo. Bem pelo contrário, apesar de ser uma importante arena de discussão, ele não foi capaz de alterar o status quo. Apenas lançou migalhas através de pequenas concessões, mantendo a estrutura da mesma maneira e a população sob controle.
A vanguarda dos progressistas foi ocupada por grupos que discutem as liberdades individuais e a qualidade de vida nas grandes cidades – da mobilidade urbana, passando pelas demandas de direitos sexuais e reprodutivos ao poder de dispor do próprio corpo. Os movimentos estão ainda no momento de tatear e descobrir como serão incorporados esses novos atores que não vêm às ruas para, necessariamente, procurar, respostas para as suas indagações, mas a fim de encontrar pessoas que, através das redes sociais, estavam perguntando a mesma coisa que elas.
Enfim, as manifestações contra as tarifas estão crescendo porque são legítimas. E aglutinando gente. Que também protesta pelo direito de protestar. E, com isso, vai aglutinando pautas paralelas que atendem a demandas legítimas ou a interesses bizarros. Inclusive de gente que não quer debater e sim causar, sendo paga ou não para isso. Inclusive de gente que está lá porque ficou cansada de não ver perspectiva para si nos debates da ágora e está insatisfeita, pegando carona nas reivindicações do Passe Livre – que são bem claras. Quanto mais os políticos demorarem para dar uma resposta a essas reivindicações que originaram essas manifestações, mais estarão alimentando algo que ninguém sabe ainda onde pode parar.
Ou seja, o preço da passagem será o menor dos seus problemas.

Adeus, Fritz Utzeri


Um cara muito importante na minha escolha pelo curso de jornalismo eu nunca conheci. No entanto hoje sinto pela morte dele. Fritz Utzeri. Eu adorava ler suas crônicas vibrantes e muito corajosas no Jornal do Brasil. Na época depois de ler eu pensava "O Globo nunca publicaria isso!". Não imaginava que o JB iria perder vários jornalistas para seu rival, perder a coragem e, enfim, morrer. 
Hoje não vejo mais nenhum jornal ter coragem. Não digo isso com raiva, mas com pena. Acho realmente uma lástima a homogeneização das reportagens. Todos os jornais com a mesma cara. Uns mais popularescos, uns mais demagógicos, mas nenhum com coragem de verdade. Em homenagem a este corajoso publico o artigo de seu colega Sérgio Fleury. 
Deixo aqui também um link para a crônica dele sobre o 11 de setembro publicada na semana do ataque terrorista de 2001: 



O jornalismo brasileiro perdeu hoje um dos maiores repórteres que já se conheceu: Fritz Utzeri, de 68 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (4), no Hospital Quinta D'Or, após lutar bravamente contra um linfoma (câncer nos gânglios).
Como jornalista, firmou-se na profissão através do Jornal do Brasil, onde ingressou em 1968.  Ali não apenas mostrou-se um excelente profissional na elaboração de reportagens, mas participou ativamente da luta pela redemocratização do país. Em 1978. teve participação ativa quando os jornalistas do Rio retomaram o controle do Sindicato da categoria que estava em mão de pelegos.
O corpo de Fritz será velado a partir das 17H00 desta segunda-feira, na Capela 6 do Memorial do Carmo, no Caju, zona portuária do Rio, até ao meio dia de terça-feira, quando ele será levado para o Crematório do Rio de Janeiro.
Ao longo da carreira fez diversos amigos que se tornaram quase irmãos, como Sérgio Fleury, que com ele convivia desde os primeiros momentos no JB. É dele, o texto abaixo contando um pouco da vida de Fritz.

Fritz, o amigo de Timmendorferstrand
De médico e louco todos nós temos um pouco, diz o ditado. Médico ele já era, formado pela UERJ com opção pela Psiquiatria, profissão que não chegou a exercer e que abandonou para ser jornalista. Louco alguns pensavam que era, pelo jeito vibrante de ver e dizer as coisas. Na verdade, ele era um grande boa praça, um amigo, uma figuraça que conquistava as pessoas pela maneira simples, inteligente e direta de se comunicar com a vida.        
Por onde passou usou seu jeito informal de ver os problemas que, de uma forma incomum, rápida e precisa, procurava resolvê-los. Era um descomplicador de coisas, inclusive da própria história iniciada há 68 anos na cidade de Timmendorferstrand província de Sleswig Holstein, Norte da Alemanha, um “balneário ipanemense”, como sempre comparou.
Ele nasceu Fritz Carl, nome herdado do pai alemão que não chegou a conhecer porque morreu em sua motocicleta com side car na explosão de uma bomba durante a guerra na Polônia, no dia 11 de setembro de 1944, quatro meses antes do seu nascimento (10 de janeiro de 1945).
Sua mãe Elza, italiana, já tinha fugido para o Norte da Alemanha, como fizeram todas as mulheres grávidas naquela época de guerra. Certamente essa aventura foi a primeira de suas muitas estórias de vida! Com dois anos de idade veio para a América Latina com a mãe, direto para Assunção, Paraguai. Ao Brasil, chegou com sete anos (1952) indo morar no bairro paulista de Higienópolis, mais precisamente à Rua São Vicente de Paula, 152. Mas não parou ali: veio para o Rio de Janeiro, foi para Lima (Peru), La Paz (Bolívia), Santiago (Chile) e Buenos Aires (Argentina), acompanhando a mãe e o padrasto italiano Otello, que na verdade o criou e se meteu a montar fábricas e hidroelétricas pelo continente latinoamericano. Das andanças latinas pegou o hábito de entremear expressões em espanhol – um dos cinco idiomas que dominava - no meio de suas animadas conversas.
De volta ao Rio, foi morar na Tijuca, anos 60/70, época em que o bairro ainda era aprazível. Foi na então bucólica Avenida Paulo de Frontin, repleta de flamboyants, que passeava com a namorada Liége, depois sua mulher por mais de 50 anos, e com a qual teve dois filhos, Ana e Pedro (de quem teve um casal de netos, Gabriela-Gabi e André).
A troca da Psiquiatria pelo jornalismo no ano de 1967/68 lhe rendeu um comentário que fez parte do seu folclore: “se continuasse médico e fosse para uma cidadezinha do interior, abrisse um consultório, colocasse o diploma na parede e na porta o nome Dr. Fritz, ficaria rico e famoso. Iam me confundir com o médium”. Como jornalista, começou repórter estagiário do Correio da Manhã época em que viveu uma de suas ótimas histórias. Um dia entrou no elevador da Revista Manchete, na Glória, junto com o dono Adolpho Bloch que, pensando falar com um dos seus jornalistas gritou: - o senhor está demitido por não usar gravata. Fritz com seu ar debochado retrucou: ora, isso é impossível, eu não sou seu funcionário! E saiu gargalhando “a la Fritz”...
Ao naturalizar-se brasileiro, em 1970, de Fritz Carl, registrado na rebuscada certidão de nascimento alemã, passou a chamar-se Federico Carlo Utzeri. Mas ele já era mesmo o Fritz Utzeri, nome com o qual se firmou nas funções de repórter especial do JORNAL DO BRASILe de seu correspondente nas cidades de Nova Iorque (82/85) e Paris (85/89).
De Paris voltou para o JB, mas foi logo convocado para ser o editor de Ciência e Tecnologia da TV Globo, onde mesmo depois de sair matou as saudades do telejornalismo ao participar da edição especial do programa Globo Repórter sobre o Caso Riocentro, assunto por ele apurado junto ao falecido repórter Heraldo Dias e que rendeu à equipe do JB o Prêmio Esso de Jornalismo. Com o companheiro ainda ajudou a desvendar o caso do desaparecimento e assassinato do deputado Rubens Paiva.
No período 1991/95 trabalhou, como Diretor de Comunicação na multinacional de telecomunicações Alcatel, mas a vida na Ponte-Aérea o deixava longe da família e dos seus brinquedinhos: as coleções de trens elétricos, de livros – era um leitor voraz - de antigos LPs e CDs, de carros em miniatura e os de verdade, como um MG 1966, original, que conservou por anos na garagem junto a um Karmhan-Ghia e a um Alfa Romeo ‘Spider”.
Trabalhou, também, como Diretor de Comunicação da Fundação Roberto Marinho e Diretor de Redação do JB na fase semifinal da edição impressa. Escreveu os livros “Aurora” (ficção) e “Dancing Brasil” (crônicas) e editou o seu blog “Montbläat”.
Nos últimos três anos lutou bravamente contra um raro linfoma (câncer nos gânglios) que nem um transplante de medula e remédios experimentais lhe deram a confortável sobrevida sem dor.
Até nesse período muito difícil sua fome de informação aliada à memória privilegiada fazia com que esse germano-ítalo-carioca sempre tivesse um “causo” a contar. Era imbatível em Cultura geral ou na do tipo inútil, do gênero “você sabia”? Pudera: para quem nasceu em Timmendorferstrand nada lhe era impossível, inclusive “desaparecer“ nesta manhã deixando uma profunda saudade em todos nós. Esse era o nosso amigo Fritz.
* Sérgio Fleury foi companheiro de trabalho e amigo de Fritz desde 1968