Atirei (...) no gato-to...


Esse vídeo mostra o ponto em que chegamos. Enquanto um tiroteio de gangues come solto ao fundo a professora pede a seus alunos do jardim de infância, já deitados no chão, que cantem uma música.

Poderia ser no Rio, mas é no México. Veja a notícia aqui.

A moda do reaça


Hoje estou abrindo meu espaço aqui para Marcelo Rubens Paiva.

Como comentou uma leitora, Natália, no post anterior:
Cara, acho tão engraçada essa mania das pessoas de falarem com orgulho que são “politicamente incorretas” quando dizem absurdos… o sujeito vem, fala um monte de merda e diz que faz isso porque é inteligente (é um livre pensador, não segue o pensamento burro e dirigido das massas, etc) e porque não liga de ser “politicamente incorreto” porque afinal esse é o certo, a sociedade de hoje que está deturpada.
Eu tinha pensado na mesma coisa.

O governador e o secretário municipal de segurança reconheceram que tanto a PM quanto a Guarda Municipal exageraram na repressão à MARCHA DA MACONHA, que virou MARCHA PELA LIBERDADE DE EXPRESSÃO. Alckmin chegou a dizer que não compactua com a ação da PM na Marcha.

Mas muitos leitores e alguns blogueiros continuam achando que o certo mesmo era enfiar o cacete nos manifestantes. PMs que tiraram a identificação, para baterem numa boa. A onda agora é ser bem REAÇA. Se é humorista, e uma piada ultrapassa o limite do bom gosto, diz ser adepto do ideal do politicamente incorreto.

Que babaca é fazer censura contra intolerância. Pode zoar com judeu, gay, falar palavrão, é isso, que se foda, viva a liberdade!

Se alguém defende a Marcha da Maconha, faz apologia, é vagabundo.
Se defende a descriminalização do aborto, é contra a vida.
Se aplaude a iniciativa da aprovação da união homossexual, quer enviadar o Brasil todo, país que se orgulha de ser bem macho, bem família!
Se defende a punição de torturadores, é porque pactua com terroristas que só queriam implodir o estado de direito e instituir a ditadura do proletariado.





Deu, né? Esta DiogoMainardização da imprensa e da pequena burguesia brasileira tem um nome na minha terra: má educação.

Esta recusa ao pensamento humanista que ressurgiu após a leva de ditaduras que caiu como um dominó a partir dos anos 80 tem outro nome: neofascismo. É legal ser de direita? Tá bacana desprezar os movimentos sociais, aplaudir a repressão a eles?
Eu não acho.

Apesar de considerar o termo “politicamente correto”, do começo dos anos 90, a coisa mais fora de moda que existe, diante do que vejo e leio, afirmo: eu, aleijado com tendências esquerdizantes, não era, mas agora sou TOTALMENTE politicamente correto.

+++

Foi uma semana marcada pelo protesto da gente diferenciada e gafes nas redes sociais, que têm 600 milhões de vigilantes no Facebook e 120 milhões no Twitter. Postaram:

Rafinha Bastos, no dia das mães: “Ae órfãos! Dia triste hoje, hein?”

Danilo Gentili, sobre os “velhos” de Higienópolis que temem uma estação de metrô: “A última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz.”

Amanda Régis, torcedora do Flamengo, time eliminado da Copa do Brasil pelo Ceará: “Esses nordestinos pardos, bugres, índios acham que têm moral, cambada de feios. Não é à toa que não gosto desse tipo de raça.”

Ed Motta, ao chegar em Curitiba: “O Sul do Brasil como é bom, tem dignidade isso aqui. Sim porque ooo povo feio o brasileiro rs. Em avião dá vontade chorar rs. Mas chega no Sul ou SP gente bonita compondo o ambiance rs.”
Quando um leitor replicou que Motta não era “um arquétipo de beleza”, ele respondeu que estava “num plano superior”. “Eu tenho pena de ignorantes como vc… Brasileiros…”, escreveu. “A cultura que eu vivo é a CULTURA superior. Melhor que a maioria ya know?”

E na MTV, a Casa dos Autistas, quadro humorístico, chocou pelo mau gosto.

Todos pediram desculpas depois. Danilo, um dos maiores humoristas de stand-up que já vi, recebeu telefonema do departamento comercial da Band, pedindo para tirar o comentário. Ed Motta se revoltou contra a imprensa. Pergunta se temos o direito de reproduzir seus escritos particulares.

A internet trouxe a incrível rapidez na troca de informações e espaço para exposição de ideias. Alguns se lambuzam. Dizem que são contra as patrulhas do politicamente correto.

Mas como ficam as domésticas ofendidas, os órfãos recentes, aqueles que perderam parentes em Auschwitz, os nordestinos e os pais de autistas?

Tomara que, depois do pensamento grego, democracia, Renascença, a revolução industrial e tecnológica nos iluminem. O preconceito não é apenas sintoma de ignorância, mas lapsos de um narcisista. Ele nunca vai acabar?

***

Enquanto no Itaú Cultural, um símbolo de excelência em apoio às artes e alta tecnologia, em plena Avenida Paulista, uma mãe foi expulsa por amamentar o filho em público na exposição do Leonilson, artista que sofreu inúmeros preconceitos, morto vítima da Aids.

Ou melhor, viadão que morreu da peste gay, porque era promíscuo, diriam os reaças.

Os ânimos estão acirrados.


A lista dos bastardos atuais

O novo código florestal foi aprovado na noite passada. A reformulação do código de 1965 era fundamental e inevitável, mas o código deveria passar por uma longa discussão para não haver erros. A pressão é grande da Bancada Ruralista, que é paga - além de nós - pelos grandes proprietários de terra. Infelizmente os integrantes dessa bancada no congresso escolheram quem eles representam e não somos nós.




A bancada ruralista não é novidade. Novidade é - como batizou Marcelo Freixo - o primeiro comunista transgênico. Aldo Rebelo, do PCdoB, fez uma manobra das mais sujas possíveis. Foi escolhido relator do projeto. Como relator ele tem obrigações e privilégios. O projeto foi formulado por um esforço conjunto de deputados e assessores. Antes da leitura final do projeto o relator pode fazer suas alterações. O deputado fez alterações sutis, na esperança de não ser notado.


Por sorte temos pessoas ativas na política - como a ex-ministra Marina Silva - que perceberam a sujeira envolvida no ato. Depois da leitura do projeto pelo relator o projeto não pode ser alterado na Câmara. Vai depender do Senado. A troca de palavras-chaves no texto original transforma o código que deveria proteger o meio-ambiente em uma ameaça.

Além do código foi aprovada também na noite passada a anistia, que mais do que perdão é um incentivo aos desmatadores. Em geral os grandes criminosos, assassinos de pequenos proprietários de terra e daqueles que se opõem à concentração de terra.

Para analistas a nova política pode ser prejudicial economicamente ao Brasil por causar repulsa ao ir na contra-mão do pensamento mundial de preservação.



Aqui está uma simples lista. Essa lista é daqueles que nós do Rio de Janeiro elegemos e que votaram pelo novo código. Sem discussão ou contra-argumentação. Os que votaram SIM são os canalhas. Nenhuma grande surpresa. Gênios da tortura, da estupidez e do futebol são os integrantes desta lista:


Adrian PMDB Sim

Alessandro Molon PT Não

Alexandre Santos PMDB Sim

Alfredo Sirkis PV PvPps Não

Andreia Zito PSDB Sim

Anthony Garotinho PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Arolde de Oliveira DEM Sim

Aureo PRTB PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Benedita da Silva PT Sim

Brizola Neto PDT Não

Chico Alencar PSOL Não

Chico D`Angelo PT Não

Cristiano PTdoB PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Deley PSC Não

Dr. Adilson Soares PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Dr. Aluizio PV PvPps Não

Dr.Carlos Alberto PMN Sim

Dr. Paulo César PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Não

Edson Ezequiel PMDB Sim

Edson Santos PT Sim

Eduardo Cunha PMDB Sim

Eliane Rolim PT Sim

Felipe Bornier PHS PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Fernando Jordão PMDB Sim

Filipe Pereira PSC Sim

Francisco Floriano PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Glauber Braga PSB PsbPtbPcdob Não

Hugo Leal PSC Sim

Jair Bolsonaro PP Sim

Jandira Feghali PCdoB PsbPtbPcdob Sim

Liliam Sá PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Não

Marcelo Matos PDT Sim

Miro Teixeira PDT Não

Neilton Mulim PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Nelson Bornier PMDB Sim

Otavio Leite PSDB Sim

Rodrigo Maia DEM Sim

Romário PSB PsbPtbPcdob Sim

Simão Sessim PP Sim

Solange Almeida PMDB Sim

Stepan Nercessian PPS PvPps Sim

Vitor Paulo PRB PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Walney Rocha PTB PsbPtbPcdob Sim

Washington Reis PMDB Sim

Zoinho PR PrPrbPtdobPrtbPrpPhsPtcPsl Sim

Morreu Abdias do Nascimento

Abdias do Nascimento nasceu dia 14 de março. Mesmo dia que minha mãe, mas 31 anos antes. Ele foi uma mãe para a igualdade racial. Igualdade ainda distante, mas bem mais próxima do que na década de 30, quando foi preso pela primeira vez em um grito contra a injustiça.

Vai, Abdias. Poeta, ator, político, militante. Vai, irmão. Por mais clara que seja a minha pele todo grito contra a injustiça me é agradável. Não por saber que há injustiças, mas por saber que há guerreiros que resistem.
ASÉ.

a banda mais bonitinha...

Semana passada o clipe de uma banda ainda desconhecida de Curitiba fez um grande sucesso na internet. 1 milhão de pessoas assistiram o clipe em 4 dias. Uma excelente marca, especialmente para uma banda desconhecida indie de uma musiquinha bonitinha e água com açúcar de um lugar que para o resto do país não colaborou muito senão por Paulo Leminski.

Fato é que o clipe ficou ótimo. Eu como trabalhador da área áudio-visual achei uma pena os integrantes da banda em entrevista dizerem que foi despretensioso, que eles fizeram sem imaginar a repercussão. Ora, eles podem até não saber exatamente a repercussão, mas não venham me dizer que não deu trabalho. O som está muito bom, todos bem posicionados e todo mundo ensaiadinho.

Bom, já surgiram as imitações, zoações, covers... Como não quero ficar ouvindo várias vezes essa música porque é bonitinha, mas 1 vez em play já é suficiente para 3 dias cantando internamente, vou colocar aqui 1 cover e o making of.




Mais uma manifestação humilhada pelo Estado

Independente do posicionamento pessoal quanto ao uso e a legalização da maconha é revoltante ver a forma como a polícia trabalha. Ela é a representante do Estado que deveria garantir o direito de livre expressão do cidadão e, no entanto...



Modelo Educacional de Referência Didática para Autistas

O MEC tem escolhido a cada dia ser um Modelo Educacional de Referência Didática para Autistas. E Giane Albertoni mostra ao mundo que está de acordo com o que dizem os livros recomendados pelo Ministério, que parece estar confundindo questões culturais e de educação com gosto. Como se quem falasse assim o fizesse por escolha.



Agora volta Luciana Gimenez a dizer que esqueceu como se falam certas coisas em português. Luciana, que passou a licença-maternidade em Nova York, afirmou que perdeu 16 quilos dos 26 adquiridos durante a gestão e brincou que esqueceu um pouco do português.

Eu acho que muitas vezes nem as modelos são modelos por escolha. E se servem de modelo pra alguém esse alguém tem seus motivos...


O mundo divide-se entre aqueles que vivem a poesia da vida, com todos os seus dramas, seus romances e todos os outros sabores presentes em cada instante e os que acham que não a vivem e, por isso, cheios de amargor e azedume, resolvem que a agressividade é remédio.


Tem empresa aérea que é mala...

Há tempos o marcador "no ônibus" deste blog serve para histórias que seriam de "no metrô". Agora vou contar o "causo" de uma amiga em um avião. Vocês, leitores, entendem, não é?

Pois bem. Uma amiga em viagem internacional decidiu despachar sua mochila junto com a mala ao fazer o check-in na Iberia.
A atendente da Iberia vira-se e diz:
- "Oh Menina, vais despachar assim uma mochila tão pequenina? Não tens medo que se perca?".
- "Agora tenho!", retrucou na única resposta possível.
É claro que a morte do Bin Laden nos deixa aliviados, mas as imagens do povo comemorando nas ruas de Washington e NY gritando "U.S.A" me deixaram ainda mais assustado do que quando veicularam as imagens das pessoas comemorando o 11 de setembro no Afeganistão.
Veja bem; assustado não é surpreso.