Previsões do Pai Xorume

Mizifi tá chateado? Avareado? Acompanhado? Amarrado? Cavalinho de mizifi já tá querendo expulsar o guia? Oxi, mizifi. Fica assim não. O ano-novo está começando e Pai Xorume de Xoxotsi fez algumas previsões. Vamos lá:

• Obamis vai acabar com as guerras e as torturas que os soldados aplicam nos meninos que usam barba.
• Os países todos do mundo vão dar sua contribuição contra o aquecimento grobal. Quem tem mais dá mais, quem tem menos dá menos. Mas todo mundo dá no fim das conta, eita...
• Brasil campeão do mundo mais uma vez.
• O Papa vai falar que os padres podem casar e quem não gosta de sofrer todo fim de mês esperando o vermelhão chegar vai poder usar camisinha.
• Carla Bruni vai dar uns pegas no Obamis. Ôpa, mas isso era segredo do Pai Xicrédibola.
• As campanha pra governador e presidente vão ser limpas e só candidatos honestos vão ser eleitos.
• Os brasileiros vão ter um sistema de saúde muito melhor e a educação vai ser exemplo no mundo todo.
• Ao invés de choque de ordi os homi vão cobrar e vai ter choque de salário bão pa todo mundo. E nada de desempregado.

Isso é pesquisa séria, mizifi. Êh Êh. Falei com muitos político e foi eles que me disse essas coisa. Se tem tanta coisa aí na lista que só depende deles então deve de ser verdade. É ou num é? Os menino são tão otimista... Êh Êh...

Mizifi paga agora na saída. Pai Xorume aceita todos cartão e cheque, mas dá desconto pra quem paga a vista.

FELIZ 2010 !!!

Disco Umbanda no Carlos Imperial

Sensacional! "Você em casa, acenda sua vela. Vai, cavalinho!"

Chokito de Ordem

Continuo a minha rotina de freelancer com horários de trabalho absurdos para a maioria das pessoas. Fiz no mês de dezembro uns trabalhos por Botafogo e me lembrei da história dos Hells Angels no ano passado (quem não leu ou não se lembra pode clicar aqui). Fui então no dia 23 às 2h da manhã para o mesmo ponto de ônibus na Praia de Botafogo onde o episódio ocorreu na esperança pelo menos de uma pequena inspiração literária.

Eu estava notando que do ano passado pra cá pouca coisa mudou. Aumentou o número de ambulantes na região, o preço da cerveja aumentou um pouco e a Luana Piovanni deve ter quebrado mais umas 3 câmeras de paparazzis. Fora isso o ponto continua sujo, a Praia de Botafogo continua tendo um número assustador de moradores de rua e o Botafogo de Futebol e Regatas continua não ganhando nada.

Passa o 457. Perfeito. Vai até a General Osório, que é pra onde eu quero ir mesmo. Subi, facilitei o troco e me sentei perto do trocador. O motorista era brincalhão e ficou fazendo piada com o trocador o tempo todo. O trocador, por sua vez, ficava sem graça e olhava pra mim de tempos em tempos cochichando: "Esse cara é uma figura..." Depois de um sujeito sair o motorista comentou com ele: "Esse aí era mais feio que o Zé Bonitinho!" E recebeu como resposta: "Com prisão de ventre!" Como eu estava de costas para a porta e não vi o sujeito eu disse que estava aliviado por não tê-lo visto. Assim não teria pesadelo.

Segue a viagem e quando estávamos chegando no último túnel de Copacabana um rapaz puxou a cordinha quando chegava ao ponto dele. O motorista passou direto e o rapaz então começou a assoviar. Prontamente o motorista começou o xingatório "Fi-fi-fi é o ¢∞§¶±alho que eu não sou teu porteiro, rapá! Fala direito!" O rapaz respondeu "Mas eu só quero parar antes do túnel. Fiz sinal e você não ouviu." "Fez sinal nada que tu tava dormindo" "Se eu cochilei lá atrás é que eu tava trabalhando em loja desde 10h da manhã. Agora faz o favor de parar pra eu descer?"

O ônibus reduz a velocidade e, dentro do túnel, abre a porta. Acho que o automóvel não se incomoda com aquela plaquinha de "Esse veículo só se movimenta com as portas fechadas". Mostrando que não ia parar, o motorista seguiu em frente devagar com as portas abertas e o rapaz então arriscou descer. Enquanto ele descia o motorista acelerou e o rapaz rolou pelo chão do túnel.

Vendo a m... que fez o motorista parou e foi olhar pela janelinha. "Você tá bem?" "'Tá bem' nada. Tô anotando teu número!" respondeu o rapaz ainda se recompondo "Isso não vai ficar por isso mesmo!" "Não vai ficar o quê?! A câmera tá aqui mostrando que eu tô certo. Até parei pra te ajudar." "Tá certo como?! Abre essa porta. Como é teu nome?" Nessa hora o motorista voltando ao volante responde "Meu nome é o ¢∞§¶±alho!" E arrancou com o veículo.

Eu fiquei na minha o tempo todo, mas anotei também o número do ônibus para ligar para a empresa algum dia útil depois. Saltei na praça e fui na direção da minha rua. Enquanto eu atravessava a praça o ônibus fazia a volta nela, vindo a parar justamente na minha frente na outra esquina. Na mesma hora uma viatura da polícia parou em frente ao ônibus não deixando ele sair de onde estava. Dois policiais e o rapaz do túnel saem da viatura. "É esse aí?" pergunta o policial gordinho. "Esse mesmo. Foi esse motorista aí", respondeu o rapaz. (Pequeno adendo: os Policiais Militares do Rio costumam andar em duplas, como os cantores sertanejos. No caso, devido a sua incrível forma costumam ser o "Gordo" e o "Gordinho")

O policial então pede ao motorista que desça do ônibus. Cada um conta sua versão do fato. Sempre um puxando sardinha pro seu próprio lado. O trocador, ainda de sua posição dentro do veículo, aponta para mim e diz: "Ele estava aqui. Viu tudo e pode testemunhar pra gente." Pobre moço. Achou que por causa de uma piada com o Zé Bonitinho constipado eu necessariamente testemunharia a favor do motorista da empresa dele. "Você estava lá?" me perguntou o Gordinho. "Estava sim." "Quer servir de testemunha?" "Quero." "Então vamos pra delegacia. Quer ir no ônibus?" "Haha!" pensei. "Não. Prefiro ir na viatura." E fomos.


Chegamos à delegacia na Nossa Senhora de Copacabana. Saímos da viatura eu, o rapaz, o Gordo - que dirigia comendo chocolate - e o Gordinho. Logo atrás parou o ônibus e o motorista e o trocador saíram de lá também deixando dentro do veículo duas senhorinhas que não entenderam nada porque entraram no ônibus no ponto onde eu saí. Entrando na delegacia o delegado já estava na porta.

Ao ver eu e o rapaz saindo do banco de trás da viatura foi logo afirmando ao Gordo "É flagrante, né?!". "Não, senhor. É lesão corporal." Espantado o delegado apontou para o Chokito que o Gordo tinha na mão e rindo disse "Ih, achei que era maconha!" Rimos todos e entramos no distrito.
Uma mocinha veio nos atender e o Gordinho se encarregou de contar a história. O motorista chegou e contou a versão dele. Ele e o rapaz começaram a discutir. Já estavam quase partindo um para cima do outro com a platéia abismada e imóvel quando vem um carinha todo de branco e sem identificação lá do fundo da delegacia e que até então estava atrás de um biombo "Qual é o caso?" Prontamente o Gordinho repete a história. Dessa vez com adendos do delegado, que parecia querer fazer o caso se encerrar ali mesmo.

"Ihhh... Sabe como é que é, né? Antes de pegar qualquer depoimento vai ter que ir no hospital pra fazer todos os exames, depois trazer aqui. Aí é que a gente pode começar alguma coisa. Enquanto isso essa rapaziada toda fica te esperando." Nessa hora pensei nas senhorinhas do ônibus. O delegado completa: "Tranquilamente vamos até de manhã pra começar a brincadeira."

O rapaz pensa, pensa... "Eu não queria nada não. Só prestar queixa pra que situações como essa não acontecessem outras vezes. Se ele pagasse uma cesta básica sei lá pra quem já tava maneiro." E o delegado "É, mas pra fazer o B.O. só depois do hospital. E lá no Miguel Couto." O Gordinho ainda se prontificou "Eu posso levar, mas vou ter que chamar reforço pra trazer de volta porque não posso ficar lá não."

"Como é? Vai no Miguel Couto ou não vai?", perguntou o cara de branco. "Se ele me pedir desculpas aqui fica tudo bem. Trabalho amanhã de novo em loja. Véspera de Natal. Tenho que estar lá às 8h. Minha namorada tá me esperando em casa..." "Já é então. Tá maneiro. Desculpa aí", disse o motorista. "Custava ter feito isso antes? Como é seu nome?", pergunta o rapaz. "Wellington.", responde o motorista. "Quando eu te perguntei antes você disse que seu nome era 'o ¢∞§¶±alho!' Então seu nome não é o ¢∞§¶±alho? Porque só agora você tá dizendo?" "Ah, é que agora a gente tá na presença de autoridades, né?", responde cabisbaixo, completando "Eles podem pedir meu documento qualquer hora."

Bom, diante da pressão das autoridades a história acaba por aqui mesmo. Os dois se apertaram as mãos, todos se apertaram as mãos e cada um foi pro seu canto. Quando eu estava saindo pra pegar meu caminho de volta o Gordinho me chamou "Aí, mora aonde?" "Perto do Hospital de Ipanema.", respondi. "Quer que eu te deixe em casa?", oferece o policial. "Haha!" pensei. "Não, obrigado. Daqui vou andando rapidinho. Mas valeu."

É ruim, hein? Vai que eu chego em casa às 3 e tal da manhã saindo do banco de trás de uma viatura... Até explicar que eu fui semi-testemunha de alguma coisa o boato de que eu ando fumando Chokito já se espalhou e eu nunca mais consigo reclamar sobre a síndica com a Dona Terezinha, minha vizinha de porta de 230 anos.

Fiz a minha versão do (há 2 dias) clássico vídeo "Ione no Shopping".
"Bonita e gostosa" para uns. "Bagaço da laranja" para outros. Para ela simplesmente Ione, jornalista.
Beijomeliga.

Ione Machado, a danada do Shopping

"Nada melhor do que não fazer nada" e ir cantar no Shopping. Algumas vezes surgem talentos inesperados que nos deixam boquiabertos. Talvez aqui esteja o talento da MPB da década de 10.

O vídeo abaixo foi feito no Shopping Cassino Atlântico. A jornalista Ione Machado mostrou muito talento. Para quem gostar ela deixa até o contato. Foi colocado anteontem na internet e já tem quase 20 mil acessos.

Um camaleão, um cunhado e uma vitrola

Assista antes e leia depois:



O vídeo acima partiu de uma idéia muito simples. Fato evidente. Sempre acreditei no poder da simplicidade, mas quando se tem uma idéia simples não se sabe o tamanho da repercussão que essa idéia irá causar.

A idéia era basicamente montar uma história aproveitando meu visual altamente camaleônico. Chamei a Érica e ela topou a parada. Uma mulher acorda certo dia se sentindo muito estranha. Ao se olhar no espelho nem chega a se reconhecer. Vai lavando o rosto e se transformando. O surrealismo chega ao ápice quando ela se acostuma com a nova situação e brinca com o próprio visual até voltar ao normal e, aliviada, seguir sua vida.

Idéia pronta. Vamos filmar. Tudo feito em uma tarde. No meio das minhas transformações, justamente quando eu estava com o bigode de Hitler e o cabelo de milico toca a campainha. Não havia escapatória. Tive de atender o senhor que trazia do conserto minha vitrola (Sim, eu sou um desses chatos que "confia" mais no som da vitrola do que no MP3). O senhor em questão é o dono da autorizada. Um português que chegou ao Brasil na década de 70 com a jovem esposa com quem está junto até hoje. Agora já sei que o nome dele é Amâncio, mas diversas vezes me confundi e o chamei de Cornélio. Ah, dá pra fazer a relação, né? Bom, tive que atender o seu Amâncio com aquele visual completamente longe da minha realidade. A vitrola ainda não estava funcionando perfeitamente e tive que mandá-la de volta. Diante do meu new look seu Amâncio nem quis discutir. Enquanto isso Érica se escangalhava de rir no quarto.

Sai o seu Cornélio e conseguimos filmar esse visual. Toca a campainha de novo. Como já tínhamos filmado corri para pelo menos tirar o bigode enquanto Érica atendia a porta. Era meu pai. Se soubesse que era ele eu não teria me apressado tanto por 2 motivos; o primeiro é que ele fala "pelos cutuvelos", como diria o seu Cornélio, o que faz com que a pressa para qualquer coisa na presença dele seja algo supérfluo. O segundo motivo é que meu pai não se surpreenderia com meu visual germânico já que ele me viu com todos os visuais possíveis. Inclusive na época em que entrei para a faculdade e usava brinco, cavanhaque comprido e costeletas... Bom, depois da não tão breve visita voltamos à filmagem. Mais uma semana e a edição estava pronta para o Festival do Minuto.

No entanto como a leseira é parte da minha genética deixei o filme guardado e não mandei para o festival. Fiquei mais preocupado com alguns trabalhos e o outro festival do post anterior. Como podem perceber nem pedi voto para esse filme. Nem sabia até quando seria a votação. Só inscrevi o filme no Festival do Minuto no último dia aberto para inscrições. Na última hora, pra ser mais exato.

Na casa da minha irmã comentei dos festivais que estava participando e mostrei os filmes para ela, a Lola (que seria até injusto dizer que é sogra dela pois representa muito mais. É uma verdadeira amiga dessas que a gente sabe que torce pela gente), meu pai, meu cunhado e o João Gabriel, meu sobrinho de 4 anos. Todos pareceram ter gostado muito. Todos, é claro, menos meu cunhado. Como bom cunhado ele disse "viadinho" e foi jogar videogame. Meu sobrinho, no entanto, foi a surpresa mais grata. Depois do comentário do pai ele se virou e disse "Não é o tio Zé. É a tia Érica fantasiada de tio Zé." A percepção dele me fez ver que o filme era bem compreensível.

Umas 2 semanas depois recebo um e-mail falando da nossa premiação. Ganhamos o Festival. Me pediram ainda uma cópia do filme para tentarem vender para emissoras de TV e uma versão de 35 segundos para passar por celulares. Além disso descobri que eles colocaram o vídeo no Youtube e o próprio Youtube o colocou como um de seus vídeos em destaque. Resultado; mais de 16 mil acessos em uma semana e muitos comentários. Como era de se esperar muitos comentários elogiando e outros típicos comentários de cunhados como o de um cara que disse que o personagem do filme era o Richarlyson - jogador homossexual do São Paulo - e outro que disse que seria melhor o Ronaldo não assistir... Mas foi muito legal ver um trabalho meu e da Érica tendo toda essa repercussão. Está muito engraçada a lista de comentários no Youtube. Para vê-los clique aqui.

Concurso de Roteiros com votação popular

É claro que como torcedor do Fluminense não estou muito animado com qualquer campeonato, concurso, essas coisas... Mas nos últimos dias dias um concurso tem me estimulado bastante (além, é claro, da disputa entre as frases 'manoelcarlísticas'). Trata-se do maior concurso de roteiros de curtas e média-metragens do país.

Um roteiro inspirado em Clarice Lispector feito pela Érica e por mim foi um dos 113 média-metragens classificados no Filma Brasil. A disputa vale dinheiro e depende do voto popular. Infelizmente alguns outros participantes agiram de má fé dando notas baixas para todos os outros concorrentes. Isso baixou a nota de todos os roteiros, de forma que a maior média atualmente está por volta de 5 (notas de 1 a 10). Ainda assim estamos entre as 10 maiores notas.

Nem por isso vou estimular aqui que meus leitores dêem nota baixa aos meus concorrentes. Cada um faz o que quiser. Mas queria que você, querido leitor, visse nosso roteiro e desse uma nota de verdade. A votação se encerra essa semana e a premiação desse concurso seria um excelente ponto de partida para a nossa produtora, a Pasárgada Comunicação.

O link para votação é http://www.filmabrasil.com.br/roteiro_detalhe.asp?roteiroID=588

Obrigado e se puder espalhe entre os amigos. Esse é um teaser para o que será filmado:

Troféu Manoel Carlos

Queridos amigos leitores,

tenho algo a propor. Acabei de fazer um trabalho onde, por razões profissionais, sempre havia uma televisão ligada na Globo. Um diálogo que eu ouvi na novela me deu a idéia de criar o TROFÉU MANOEL CARLOS. Adjetivos não seriam suficientes para alcançar a magnitude dessas pérolas.

O texto que me deu a idéia do prêmio foi:

-Ai, querido. Não me acostumo a vir pra Búzios de motorista. Você sabe, eu adoro dirigir...

-Ah, meu bem. Por que você não vai dar uma volta no conversível ou sai no iate?

Se você ouviu outra frase do gênero que faça juz ao troféu por favor escreva antes de terminar a próxima garrafa de Champanhe Cristal. Estamos ansiosos com nossos canapés de caviar aguardando.

Feira Mundial Rio 2020

Depois de voar bastante nos jatinhos de Eike Batista para comemorar a conquista do direito de sediar as Olimpíadas no Rio de Janeiro agora o governador Sérgio Cabral quer voar mais. Vai inscrever o Rio para concorrer ao direito de ser sede da Feira Mundial em 2020.

O evento já aconteceu no Rio, mas em 1908. A feira, assim como o centenário da independência em 1922 construíram o Rio de Janeiro que conhecemos hoje. Sediar um evento tão grandioso novamente seria uma honra para o Rio e uma vitória para os cariocas.

Isso, no entanto, não dá ao governador, ao seu filho prefeito, ou a quem quer que seja, o direito de voar por aí em jatinhos particulares e esquecer os problemas atuais do Rio, uma cidade que é primeiro e terceiro mundo simultaneamente.

Primeiras repercussões

O fato do Rio ter sido escolhido cidade sede dos jogos olímpicos de 2016 já causou certa repercussão. Entre as consequências mais relevantes está o fato de "Yes We Créu" ter sido a expressão mais utilizada no Twitter quase o dia inteiro ontem. Os gringos enlouqueceram querendo entender a expressão. Os administradores do Twitter tentaram traduzir com um "Yes, we nail it" e a expressão já virou verbete no Wikipedia.

Outra reação à escolha do Rio foi da cantora Vanusa, que declarou querer cantar o hino nacional nas olimpíadas.

Uma campanha para a escolha do mascote já está sendo montada e a Bala Perdida está liderando as intenções de votos, logo a frente do Pivete Com Lata de Benzina.

Como sabemos que no Brasil as coisas não mudam muito rápido já tem gente falando que Olimpíada no Rio em 2016 = CPI para apurar os desvios de verbas em 2017, que é a mesma coisa que mais pizza em 2018. Ou, como disse o pessoal do Kibe Loco, #Rio2016 = #CPI2017 = #Pizza2018 = #Eunãosabiadenada2019 = #forasarney2020. Outros espertinhos tem dito que com Copa do Mundo no Brasil em 2014 e Olimpíadas em 2016, 0 ano de 2015 vai precisar ser enforcado.

Ah, faz sentido...

Yes we CRÉÉÉU!!!

O mascote das Olimpíadas 2016 já está definido: a bala perdida.

Homenagem à medalha de prata:

The NEW office

Para os usuários do Twitter eu não tinha como não recomendar um vídeo. Quem nunca entrou em sua página e se complicou na hora de usar os apenas 140 caracteres.

É muito bom, mas falado em inglês:

Zé Mayer Facts

Depois da Xuxa e do Bruno Gagliasso o sucesso atual do Twitter são os "Zé Mayer Facts". Pelamordedeus. Todo mundo já está cansado dele fazendo o mesmo papel nas novelas idênticas do Manoel Carlos. Ou será que não?


Seguem aqui algumas das melhores tiradas dos Zé Mayer Facts:

Não existiam buracos negros até a primeira viagem espacial de Zé Mayer.

Novela pra Zé Mayer é micareta!

Zé Mayer é o tronco de qualquer árvore genealógica.

O Zé Mayer é tão macho que a Ana Carolina disse "ok, eu abro uma exceção!"

A Natureza virou mãe depois de um encontro casual com o Zé Mayer.

O dia que Zé Mayer precisar da pílula azul, vao ter que esconder o Blue Man Group

Zé Mayer uma vez espirrou em um auditorio lotado...foram registrados 42 orgasmos...

Zé Mayer engravidou uma atendente de telemarketing pelo telefone.

A verdade que ninguém sabia: Zé Mayer é pai do Chuck Norris!

Zé Mayer foi banido do twitter. Ninguém ficava tranquilo depois de ler "Zé Mayer is following you"

Zé Mayer só vai ter Twitter quando a proposta mudar de "What are you doing?" para "Who are you doing"

Se Zé Mayer fosse um personagem de vídeo-game seria o Pac Man

Don Juan se deitou com 1000 mulheres. Zé Mayer que passou o telefone delas.

continuação

Claro que trocando a minha folga para segunda-feira ia chover...

Sexta-feira

Sexta-feira. Estava chovendo.
Uma menina no meu trabalho perguntou se eu poderia trocar a folga do final de semana com ela. Eu trabalharia para ela esse final de semana e ela para mim no próximo. Aceitei para ela poder pegar um freela.
Abriu o Sol. A previsão é de muita praia esse final de semana... Algo me diz que o tempo vai fechar semana que vem...

Saga em busca de uma faxineira PARTE 1 - A Rutinha é boazinha. A Raquel é malvada.

Faxineira tem que ser uma profissional de confiança, não é mesmo? Troca o nosso lençol e mexe no nosso armário... tem que ser indicada por alguém também de confiança. Pois eu estava numa luta incessante em busca de uma boa profissional. Peguei diversas recomendações, indicações de amigos, indicações das indicações...

Como só preciso de faxina no meu apartamento 2 vezes por mês, pode-se dizer que fiquei meses na busca. A cada 2 semanas testando uma pessoa diferente. Sempre havia algum pecado. E eu não chamo a atenção. No início do trabalho a digo o que deve fazer e só. Se não corresponde ao que desejo simplesmente não a chamo mais para trabalhar. Ora a moça testada ia embora sem lavar a louça, ora sem empurrar os móveis para limpar...

Teve uma que foi o cúmulo; Foi indicada por ser irmã de outra que foi uma vez e foi boa, mas estava em "estado interessante" avançado demais. Carregava no ventre o quarto filho aos 27 anos. "Mas logo que nascer eu ligo [as trompas] pra não ter mais", me garantiu. Chamei a irmã dela então. Logo que chegou me assustei. Totalmente patricinha, o oposto da irmã.

Dei a ela as instruções de sempre. Ao terminar de falar ela perguntou se poderia fumar. Já não era um bom sinal. Pedi que ela fumasse perto da janela e vim para o meu computador trabalhar. Uma vez ou outra eu passava pela sala e lá estava ela fumando na janela e querendo puxar assunto.

A irmã dela havia ficado na minha casa até 9 da noite e ainda voltou no dia seguinte porque quis já que não tinha conseguido terminar todo o serviço - que fez bem devagar até mesmo pelo estado avançado de gravidez. A irmã patricinha, no entanto, antes do meio-dia disse que tinha terminado o trabalho. Inconformado dei um bom bocado de roupas para ela passar e voltei ao meu trabalho. Alguns minutos depois, quando fui dar mais uma incerta na sala, vi que ela pegou meu borrifador de água para as plantinhas que tenho em casa e trato com o maior cuidado (isso já é assunto para outro post) e encheu de amaciante para borrifar nas roupas e passar melhor o ferro.

Eu disse "!!!". Ela argumentou "???" Aí eu respondi "..." e deixei ela terminar o trabalho. Quando me disse mais uma vez que não tinha nada para fazer eu fui com ela até o banco, tirei o dinheiro que havíamos combinado, paguei a moça e tomei meu rumo. Não sem antes concordar em pegar o número dela. "Pega o meu celular pra se quiser falar direto comigo. A gente não precisa mais da minha irmã de intermediária..." Ela, patricinha como só, não sei se voltou para São Gonçalo, já que estava se sentindo super em casa em Ipanema.

Voltei para a minha casa e percebi uma coisa. Ela só terminou o trabalho antes de meio-dia porque o trabalho pra ela foi só varrer a casa. O copo que ela usou ficou sujo na pia, a garrafa d'água vazia e os móveis empoeirados porque ela só limpou o que ficava mais evidente. Naquele momento me convenci a continuar minha peregrinação em busca de alguém de confiança. Cheguei na janela para ver minhas plantinhas, que sempre me ouvem sem reclamar e qual não foi minha surpresa? Ao lado das plantas havia entre 12 e 15 guimbas de cigarro envoltas em muita cinza no meu parapeito.

Em primeira mão

Cuca é o novo técnico do Flu. Agora vai (Pra onde é que é a questão...)

Xu-Xu-Xu...

Estava zapeando quando passei pela Globo. No Programa da Xuxa está rolando um concurso para eleger a "dona de casa mais bonita do Brasil". Uma delas vira para a apresentadora e diz: "Ai, Xuxa... Eu me acho sem bunda." e ouve a resposta: "É o nosso mal porque a gente é loirinha. Só batendo com ela na parede pra inchar."
Preferi passar pra um programa de receitas em outro canal.

Novidades Twittescas

A Sasha entrou no Twitter da Xuxa e disse ter feito uma "Sena" que ela adorou. Depois de ser criticada, Xuxa defendeu a filha dizendo que ela pode errar uma palavra já que é educada em outra língua. Luciana Gimenez ainda não se manifestou.

Mas ela tá certa. Português for what? Xuxa sabe tratar melhor uma criança como mostrou o pessoal do Axiloucura.

Choque Animal

Um carro em alta velocidade na Avenida Brasil passou por avisos de animais na pista e seguiu sem se preocupar. Logo depois atropelou um cavalo e bateu. O cavalo morreu. A anta perdeu 5 dentes.

Fotografia!

Foi aberto um espaço novo para a Fotografia na Gávea. Chama-se Galeria da Gávea e fica atrás da produtora Copacabana Filmes, de Carla Camurati. A inauguração do espaço foi ontem, dia mundial da Fotografia. Pela reportagem de O Globo me pareceu mais um daqueles espaços feitos para expor a obra de quem não precisa ser exposto por ser apadrinhado. É só olhar os sobrenomes dos atualmente 18 artistas com obras penduradas nas paredes da galeria.

As obras expostas estão a venda para colecionadores e, mesmo criticando e sabendo que não terei cacife para comprar nenhuma das 18 peças, quero conhecer o espaço. É preciso marcar hora por telefone para ir lá.

Enquanto isso, na nossa humilde realidade, a Pasárgada Comunicação segue seus trabalhos. Já temos um Twitter e estamos formulando nosso site. A Fotografia como coisa distante, inacessível, você encontra em diversas galerias no Rio, em São Paulo, em Nova York... A Fotografia como Arte e, no entanto, próxima e acessível você pode ver por enquanto em SoulMaisPhoto.com. E logo logo também em VemPraPasárgada.com. Afinal, em Pasárgada você é amigo do Rei (Nossa, me senti um publicitário agora. Se me virem andando na rua com óculos de armação grossa e gravatas coloridas podem internar).

Paraíba

A maioria das pessoas pensa em fazer suas viagens para lugares chiques, confortáveis, elegantes. Lugares que seja bonito falar o nome depois para a vizinha chata que não viaja pra não deixar de tomar conta da vida alheia. Pois bem, eu e Érica fomos pra Paraíba. E que viagem linda!

Hospedados quase 2 semanas em Campina Grande na casa de uma amiga da família dela acabamos conhecendo o coração dessa família e fazendo parte do seu dia-a-dia. E como foi bom! Maria Aldano, nossa anfitriã, foi sempre muito agradável, maternalmente zelosa e extremamente generosa.

Ela, que não gosta de dirigir, nos levou em seu carro às menores cidades do interior do estado. Conhecemos o "Norte Maravilha"; caminho inverso da maior migração sulamericana. Cheguei a pensar em fazer um diário da viagem, mas tamanha programação não consegui. Tudo bem. Fica tudo na memória. Na memória e em algumas horas de vídeos que filmei e centenas de fotos que ela fez (acho melhor "fazer" foto do que "tirar" ou "bater", já que estas palavras têm significados negativos. "Fazer" foto dá uma noção melhor do trabalho.)

Conhecemos cidadezinhas muito animadas e bonitas, como Bananeiras e Cabaceiras, a "Roliúde Nordestina", onde foram gravados alguns filmes que retratam o Nordeste, como Cinema, Aspirinas e Urubus e O Alto da Compadecida. As cidades do interior do estado são muito agradáveis e comemoram o São João de uma forma que não tem igual no mundo. A fé está muito presente nesses lugares. A fé e as festas.

Tudo lindo; o fogo nas portas das casas na noite de São João, as pracinhas enfeitadas, a natureza da região... e pra melhorar ainda mais parece que há uma disputa inter-municipal para ver quem recebe melhor os turistas. A simpatia do povo é algo que eu achei que estava acostumado por viver no Rio. Só lá vi que ainda falta muito para sermos simpáticos com a sinceridade daquele povo. Talvez por serem cidades menores, talvez porque não estão acostumados a turistas do Sudeste realmente interessados na cultura e na vida deles. E como são diferentes uns dos outros. E nós, na nossa ignorância, chamando os naturais de lá pelo nome do estado...

O fato é que foi uma viagem maravilhosa.
Obrigado, paraibanos!

Deu no Ancelmo Góis

' Quinta, por volta de 18h30m, na Av. Presidente Vargas, em frente à Central, um rapaz parado no sinal com seu Corolla cinza fumava o maior baseado, de janela aberta, quando... “Passa tudo!”, ordenou um ladrão.
Mas o gatuno, ao ver o que a vítima fazia, acredite, ficou manso: “Foi mal, vá na paz”. '

Aliás, só para lembrar; Av. Presidente Vargas em frente à Central é onde fica o Comando Militar do Leste. Tem um marcador chamado "Cenas Lispectorianas" nesse blog, mas algumas vezes dá vontade de criar outro chamado "Cenas Kafkanianas"...

Filmes em stop motion

Acabei de assistir um filminho em stop motion que achei muito bonitinho. Gostaria de compartilhar com você:

Esse filme me lembrou outro que assisti há um tempo e que virou um clássico do gênero, Her morning elegance:

Atos Secretos

Notas sobre Michael Jackson

Na data do falecimento do Rei do Pop eu não pude comentar nada, já que estava viajando. Por isso seguem agora todos os comentários engasgados:

1) O que Michael Jackson falou quando chegou no céu?
Cadê o Menino Jesus??? cadê??? cadê?

2) O Michael Jackson teve sintomas de intoxicação alimentar...
por comer um salaminho de 9 anos.

3) Psicografada nova mensagem de Chico Xavier que dizia: "Ele morreu engasgado com um pé-de-moleque".

4) Michael Jackson era tão foda que ele conseguiu ter mais problemas com polícia sendo branco do que quando ele era preto.

5) Qual a diferença entre o Michael Jackson e um saco de supermercado?
R: Um é branco, feito de plástico e é perigoso para crianças.
O outro serve para carregar compras.

6) O que papai Noel e Michael Jackson têm em comum?
R: Ambos saem dos quartos dos meninos com o saco bem murcho.

Entediado no Trabalho?

O que você faz quando está no escritório e bate aquele tédio? Muitas vezes eu apelei para o jogo de Campo Minado. Isso nos meus áureos tempos de usuário de Windows. (Sim, eu confesso, já fui usuário...) Se você também já se divertiu com o joguinho de Campo Minado do Windows esse filme é para você!


Eu sou muitos...

Sabe quando não se quer fazer nada?...
Fiz auto-retratos. Olha como uma barba pode crescer rapidinho:


Um dia vão querer me estudar...

Golaço!

Gostou do presente, né?...


Maysa Boyle

Quando as pessoas ficam famosas nada mais é segredo. Por exemplo; Mãe e filha, Susan Boyle e a menina Maysa são torcedoras do alvinegro carioca. Só mesmo sendo torcedoras do Botafogo para justificar o choro de uma e o segundo lugar da outra.

A mãe da menina Maysa

Muita gente criticou a atitude de Silvio Santos que, sem-noção (palavra que mantém o hífem mesmo com as novas regras gramaticais) que é, está traumatizando uma criança que ficará marcada para o resto da vida. O caso Maysa é ainda mais grave do que o da Sacha. 

Aliás, não sei se o Marcelo Camelo já passou pela casa da Xuxa, mas para os desavisados é ele que tem buscado Maysa na porta dos estúdios de Sílvio Santos. A mãe da menina não aparece mais por estar bem longe do Brasil. 

Não suportando ver o sucesso da filha ela foi tentar a vida em Londres. Pra falar com ela agora tem que gritar. E gritar bem alto!


A vizinha do meu pai

Meu pai é um daqueles que adora se fazer de vítima e não me liga pra poder dizer depois "Meu filho não dá notícias há mais de 1 semana"... Pois bem, como ele é pai a gente engole algumas coisas e telefona de vez em quando pra saber se está tudo bem. Da última vez que eu liguei ele me falou de uma vizinha dele:

Meu pai: Sabe aquela que mora no meu prédio, mas está sempre aí perto do seu?
Eu: Sei...
Pai: Pois é. Te viu outro dia e veio me dizer "Seu filho era tão magrinho e está enorme de gordo!"
Eu: Avisa que o meu problema eu resolvo com uma simples caminhada de manhã. Quero ver ela que é velha, manca e xereteira se resolver...

Pena que algumas coisas (como a última parte desse diálogo) a gente também deixa passar para não ouvir depois "...e quando liga ainda é grosso!"

A menina Maysa

O caso da menina Maysa, como não poderia deixar de ser, está tomando proporções grandes. O Ministério Público Federal está intervindo para fazer a menina parar de trabalhar. O processo foi aberto depois da menina chorar pela segunda semana seguida no Programa Sílvio Santos. 
(Vídeo abaixo)


É uma maldade deixar uma criança achar que é artista. 
Pensando no caso, Marcelo Camelo já avisou que quer namorar a menina e entrar na disputa de quem come mais criancinha com Michael Jackson, os padres da Igreja Católica e os comunistas.
Mallu Magalhães já está batendo cabeça pra tentar segurar o homem e disse que se for trocada vai chorar também.

Dia da Cachaça

Ontem foi o Dia da Cachaça, instituído não sei quando porque álcool afeta a memória. Mas uma coisa que não esqueço é da minha produção artesanal.


Vai um aperitivo aí?

E por falar em pinga, parece que o filme sobre Wilson Simonal é muito interessante...

Viajando...

Gente, tô aqui só pra dizer que se faz tempo que eu não apareço é porque estou descobrindo meu jeitinho de viajar de graça. Estou tão tranquilo com a situação brasileira quanto esse sujeito aqui;

Parabéns???

Dizem que hoje é o aniversário do descobrimento do Brasil. Há 509 anos alguns portugueses capitaneados por Pedro Álvares Cabral chegaram nessa terra estranha e foram recebidos por uma gente estranha "com suas vergonhas de fora". De lá pra cá só aumentou a farra e diminuiu a vergonha.

Um país que começa sua história oficial cercado de mentiras não pode exigir que se leve a sério mesmo. E nós, o povo, ficamos mergulhados nessa relação de amor e ódio com o país... Muitos são os "talvez" que nós, de baixo, falamos àqueles que estão no poder desde sempre por aqui. Mas não vou me poupar a lançar mais um "talvez":

Talvez se os parlamentares, ministros e outros poderosos sentissem as dificuldades que nós aqui de baixo sentimos a coisa fosse diferente. Se eles tivessem que obrigatoriamente colocar seus filhos em escolas públicas, tivessem que fazer uso exclusivo do Sistema Único de Saúde, tivessem que utilizar o transporte público...

O problema é que ao invés de se igualar a nós eles preferem ter um salário fixo de 50 vezes o salário mínimo além de auxílio-moradia, auxílio-paletó, auxílio-passagem, entre tantos outros benefícios que o poder oferece. Talvez se o poder não fosse tão concentrado... 

Talvez as coisas fossem melhores se houvesse mais referendos ao invés de benefícios apenas em anos de campanha. Acho que seria um começo.

Seu Barriga

Na Páscoa um tio disse que eu engordei. Tios gostam de criticar.
Tenho me sentido um pouco ocioso e acima do peso. Mas sou muito auto-exigente.
Minha sogra disse que eu estava bem com aquela calça (que estava super larga até 2 meses atrás). Mas ela é sogra...
Hoje na rua encontrei com a mulher do porteiro do meu ex-prédio, que ao me ver exclamou "Eitcha! Deu uma engordadinha, Zé!"...
Comecei a procurar uma academia.

Stefhany (com F H mesmo)

Nisso que dá deixar as crianças ouvindo qualquer coisa. Elas fazem VERSÕES...



"Eu sou Stefhany (no meu Cross Fox)"...

A onda retrô

Legal agora é ser retrô. É mais chique, mais interessante...

Olha como a gente levou a coisa a sério: 
  • Convidamos A-Ha para fazer show. E eles continuam tocando "Take on me".
  • Chamamos o Iron Maiden, que toca "Fear of the dark", como há muitos anos...
  • E acima de tudo convidamos Collor, Sarney e companhia para as nossas vidas. E eles continuam fazendo show em Brasília e cantando de galo.
Há 45 anos um golpe tirou o presidente eleito do Brasil do poder e rasgou a Constituição e os direitos individuais. Desde então até hoje só conseguimos passar a faixa presidencial de um presidente eleito democraticamente para outro uma vez.

Em outros países que passaram por ditaduras (ou ditabrandas, como O Estadão e o Pinochet preferem chamar), como na Argentina e no próprio Chile os governos e a Justiça abrem os arquivos secretos dos tempos sombrios e punem, poucos e vagarosamente, mas punem responsáveis pelos crimes acobertados pelo Estado.

Por aqui os últimos presidentes foram eleitos democraticamente e eram contrários à ditadura. A esperança, no entanto, é vencida pelo medo no momento em que alianças são feitas "em nome da governança". É proibido cobrar Justiça. Desde 1964 não estamos no poder. Nossa, que besteira acabo de dizer. Nunca estivemos no poder no Brasil.

Até quem já estaria morto reaparece anos depois com dinheiro nosso roubado. E ninguém encontra. Punir já não daria mais. Como punir Jânio Quadros?

Quem sabe não faremos um dia essa Justiça com o presente? Quem sabe um dia o passado nos abandone? Tudo em nome da nossa esperança no futuro. Mas no presente os bandidos continuam a solta fazendo seus shows e cantando "Take on me..." E ninguém pega. Pelo contrário, deixa procriar. Daí crescem nessas sombras os Rodrigo Maia, ACM Neto, Cristiane Brasil... "Fear of the dark" dessa sombra.

O pior é saber que isso não é nenhuma piada de primeiro de abril.

Tem Dado na cadeia?

Até onde um ser humano pode chegar?



Um dia ainda vivo disso...

Desculpem se estou falando demais da minha vida profissional ultimamente, mas é bom demais estar se realizando com aquilo que escolhemos para viver... Não, ainda não ganho nada escrevendo, mas um dia pretendo. Dessa vez fui convidado a escrever um artigo para um portal ligado à Secretaria Estadual de Educação.

O portal é bem grande e esse mês resolveu fazer um especial sobre cinema. Para isso realizou entrevistas com nomes de peso do cinema brasileiro como Walter Lima Jr. Uma amiga dos tempos de PUC-Rio que trabalha no site entrou em contato comigo não para dar uma entrevista, "senão só vai aparecer uma frasezinha no meio de várias citações de outros artistas. Eu quero um artigo todo seu."

Bom, adorei escrever o artigo, que está no Portal Conexão Aluno (só clicar aqui). Aproveitamos para colocar as fotos tiradas no bloco filmado pela nossa equipe e puxei também uma sardinha para o meu primeiro curta-metragem, que será filmado mês que vem. Mas isso ainda vai ser assunto de muitos posts...
 

Imaginô?

Pro bloco de carnaval fui contratado para filmar e mandar o material bruto, mas como sou bonzinho fiz um DVD extra com algumas fotos gentilmente cedidas pela Érica, uma edição de imagens de 20 minutos e um videoclipe que editamos com a música deles. Aqui está o clipe.


Que crise o quê?

Estamos tão por cima da carne seca que os gastos com cartões corporativos do governo esse ano já é de R$ 2.800.000. O gasto dos contribuintes com essa despesa cresceu mais de 400% com relação ao mesmo período do ano passado! Pra aumentar a festa uma pesquisa do jornal O Globo mostra que 90% dos funcionários terceirizados que trabalham no Congresso são parentes dos congressistas. Oba-Oba!

Cordel em homenagem ao Arcebispo

Recebi de uma amiga um cordel feito pelo artista Miguezim de Princesa ironizando o caso do Arcebispo que excomungou aqueles que apoiaram o aborto de uma menina de 9 anos que era violentada desde os 6. O estuprador não foi excomungado. Por que? Corporativismo? O cordel explica o fim deste homem. O fato é que me inspirei:

E-mail é coisa atual
E Igreja é de antigamente
Manda excomungar a todos
Um arcebispo que é demente
Assim como Rebecca Leão
Vou pedir minha excomunhão
Pois fui queimado novamente

Segue o cordel:


Miguezim de Princesa


I
Peço à musa do improviso
Que me dê inspiração,
Ciência e sabedoria,
Inteligência e razão,
Peço que Deus que me proteja
Para falar de uma igreja
Que comete aberração.

II
Pelas fogueiras que arderam
No tempo da Inquisição,
Pelas mulheres queimadas
Sem apelo ou compaixão,
Pensava que o Vaticano
Tinha mudado de plano,
Abolido a excomunhão.

III
Mas o bispo Dom José,
Um homem conservador,
Tratou com impiedade
A vítima de um estuprador,
Massacrada e abusada,
Sofrida e violentada,
Sem futuro e sem amor.

IV
Depois que houve o estupro,
A menina engravidou.
Ela só tem nove anos,
A Justiça autorizou
Que a criança abortasse
Antes que a vida brotasse
Um fruto do desamor.

V
O aborto, já previsto
Na nossa legislação,
Teve o apoio declarado
Do ministro Temporão,
Que é médico bom e zeloso,
E mostrou ser corajoso
Ao enfrentar a questão.

VI
Além de excomungar
O ministro Temporão,
Dom José excomungou
Da menina, sem razão,
A mãe, a vó e a tia
E se brincar puniria
Até a quarta geração.

VII
É esquisito que a igreja,
Que tanto prega o perdão,
Resolva excomungar médicos
Que cumpriram sua missão
E num beco sem saída
Livraram uma pobre vida
Do fel da desilusão.

VIII
Mas o mundo está virado
E cheio de desatinos:
Missa virou presepada,
Tem dança até do pepino,
Padre que usa bermuda,
Deixando mulher buchuda
E bolindo com os meninos.

IX
Milhões morrendo de Aids:
É grande a devastação,
Mas a igreja acha bom
Furunfar sem proteção
E o padre prega na missa
Que camisinha na lingüiça
É uma coisa do Cão.

X
E esta quem me contou
Foi Lima do Camarão:
Dom José excomungou
A equipe de plantão,
A família da menina
E o ministro Temporão,
Mas para o estuprador,
Que por certo perdoou,
O arcebispo reservou
 A vaga de sacristão.



Paz Interior

- Boa tarde, senhores passageiros. Eu faço parte do movimento Hare-Krishna e faço distribuição de incensos e livros com a nossa filosofia pelo Rio de Janeiro. Austeridade, paz, verdade, vegetarianismo, desapego, crescimento espiritual, paz interior... É apenas R$1 o incenso e R$2 o livrinho.

Uma senhora, enquanto isso, tenta passar pelo Hare-Krishna e seu carregamento de produtos a serem "distribuídos" - Com licença...

-Minha senhora, quem tá na frente é ele - apontando para o estudante ao seu lado - OH, MEU FILHO... VAI SAIR DA FRENTE NÃO?!

Bem-vindo a Pasárgada




Não poderia haver melhor dia para voltar com as atividades desse blog do que uma sexta-feira 13. Os últimos dias foram de bastante correria e um misto de sorte e azar. Azar porque a correria me deu uma gripe que deixando-me 3 dias prostrado. Mas a sorte foi ainda maior, porque veio atrelada ao trabalho.

Como eu havia contado aqui fui contratado através da minha empresa - até então sem nome - para filmar o bloco "Imaginô? Agora Amassa.", no Leblon. No domingo de carnaval a Érica (minha namorada e sócia) foi chamada para fotografar famosos chupando picolés da Kibon no camarote da Brahma no Sambódromo. 

O azar e a sorte dela também foram testados. Azar porque a câmera novinha que ela comprou 2 dias antes pensando nesse trabalho deu problema no dia que mais era para funcionar. Sorte porque ela ainda não tinha vendido a câmera antiga, o que a ajudou a segurar o primeiro dia de Camarote. No segundo ela apelou para a câmera de um amigo que era igualzinha a que ela havia comprado. Raul é o nome do amigo salvador. O mesmo amigo que nos indicou para o trabalho do bloco.

Sorte por ter esse anjo da guarda por perto e também porque o vendedor da câmera nova percebeu que o problema não era por culpa da Érica e se comprometeu a enviar por conta própria o equipamento para o conserto, em São Paulo. Agora já foi consertado e já está voando de volta para o Rio. O drama dela é mais bem descrito pela própria no blog Soul mais Photo.

Bem, o fato é que eu estava com ela no dia que ela iria para o Sambódromo trabalhar e eu ia trabalhar o fígado com os amigos pelos blocos da cidade. No momento da despedida eu falei "Vou-me embora". Sem precisar de palavras os dois tiveram a mesma referência em pensamento "... para Pasárgada". Olhei pra ela e disse "Pasárgada Comunicação seria um nome bonito... Mas já deve existir..." Corremos para o Google, o Deus-Oráculo pós-moderno que tem todas as respostas, e ele nos assegurou que nada existia com esse nome que pudesse concorrer conosco.

Google nos disse que, além de 2 blogs bobinhos e outro de uma mulher com dor de cotovelo, esse nome foi usado para um conjunto residencial em Jundiaí, uma república em Ouro Preto, um restaurante em Curitiba, um gatil (!) e um governo imaginário criado por um cidadão (!!!). Assim foi batizado então nosso filho. Graças ao carnaval.

E aí? Gostaram de Pasárgada Comunicação? Espero que sim, porque já editei um vídeo institucional com algumas fotos dela e vídeos nos quais eu trabalhei, criamos um Flickr, a logomarca e estamos bolando um site. Outras novidades estão a caminho. Sorte.

Segue o poema de Manuel Bandeira com explicação do próprio:

Vou-me embora pra Pasárgada 
Vou-me embora pra Pasárgada 
Lá sou amigo do rei 
Lá tenho a mulher que eu quero 
Na cama que escolherei 
Vou-me embora pra Pasárgada 

Vou-me embora pra Pasárgada 
Aqui eu não sou feliz 
Lá a existência é uma aventura 
De tal modo inconseqüente 
Que Joana a Louca da Espanha 
Rainha e falsa demente 
Vem a ser contraparente 
Da nora que nunca tive 

E como farei ginástica 
Andarei de bicicleta 
Montarei em burro brabo 
Subirei no pau-de-sebo 
Tomarei banhos de mar! 
E quando estiver cansado 
Deito na beira do rio 
Mando chamar a mãe-d`água 
Pra me contar as histórias 
Que no tempo de eu menino 
Rosa vinha me contar 
Vou-me embora pra Pasárgada 

Em Pasárgada tem tudo 
É outra civilização 
Tem um processo seguro 
De impedir a concepção 
Tem telefone automático 
Tem alcalóide à vontade 
Tem prostitutas bonitas 
Para a gente namorar 

E quando eu estiver mais triste 
Mas triste de não ter jeito 
Quando de noite me der 
Vontade de me matar 
-Lá sou amigo do rei- 
Terei a mulher que eu quero 
Na cama que escolherei 
Vou-me embora pra Pasárgada. 

(Estrela da vida inteira, cit., p. 127-8.) 

Rosa: mulata que serviu de ama-seca a Manuel Bandeira e a seus irmãos quando meninos. 

Alcalóide: substância química encontrada nas plantas que, entre outros fins, serve para a fabricação de drogas. 

Bandeira explica seu poema: 

“Vou-me embora pra Pasárgada” foi o poema de mais longa gestação em toda minha obra. Vi pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha os meus dezesseis anos e foi num autor grego. [...] Esse nome de Pasárgada, que significa “campo dos persas”, suscitou na minha imaginação uma paisagem fabulosa, um país de delícias [...]. Mais de vinte anos depois, quando eu morava só na minha casa da Rua do Curvelo, num momento de fundo desânimo, da mais aguda doença, saltou-me de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou-me embora pra Pasárgada!”. Senti na redondilha a primeira célula de um poema [...].